Psicoterapeutas e a prática de

Mindfulness

Entenda aspectos importantes da psicoterapia e mindfulness.

Saiba Mais

Entenda alguns preceitos da utilização de Mindfulness por psicoterapeutas

O interesse é cada vez maior.

E, muito antes deste interesse chegar no Brasil, já estava em franco crescimento mundo afora. De acordo com Ryan(2012), mindfulness se tornou uma tendência popular nos Estados Unidos. Uma pesquisa realizada pelo National Center for Complementary and Alternative Medicine em 2007 registrou um aumento de 1,8% de americanos adeptos à meditação, em apenas 5 anos.

Com forte influência na sociedade e um respaldo científico cada vez mais interessante, a mindfulness tem atraído clínicos pelos mais diferentes motivos: pessoal, clínico e científico. Mais sobre a história de mindfulness aliado à psicoterapia você poderá ver em nosso curso.

Hoje em dia é possível vislumbrar várias intervenções estruturadas com mindfulness, sendo possível o tratamento de uma ampla variedade de transtornos físicos e psicoemocionais, com centenas de ensaios clínicos randomizados que apoiam tais intervenções, assim como metanálises e revisões destes estudos. Ainda há o apoio da neurobiologia, através de pesquisas muito sofisticadas que está demonstrando o poder da mente para mudar as estruturas e funções do cérebro.

Desta forma, há tanto o interesse de psicólogos clínicos que desejam uma melhora pessoal do seu estado global frente aos inúmeros benefícios já comprovados pela prática de mindfulness, como também há um interesse cada vez maior de pessoas buscando psicólogos clínicos que tenham experiência com práticas contemplativas que vislumbrem a modificação cerebral.

Psicoterapia orientada a Mindfulness

Dentro do aspecto prático de mindfulness, com técnicas formais e informais, há 3 formas de integração de Mindfulness ao trabalho psicoterapêutico:
1. Praticar (seja de formal ou informalmente) para cultivar presença terapêutica;
2. Usar uma estrutura de referência teórica inspirada pela experiência de Mindfulness, da literatura sobre o assunto ou mesmo dos seus fundamentos, no trabalho psicoterapêutico e/ou em aconselhamentos e orientações;
3. Ensinar seus pacientes a praticar mindfulness;

Benefícios comprovados para Psicoterapeutas

Como você já percebeu, o crescente interesse pelo Mindfulness se dá, principalmente, pelo respaldo científico através das comprovações já alcançadas. Mas não se engane: além dos diversos benefícios já comprovados, há alguns específicos para psicoterapeutas.

A diminuição da ansiedade, do estresse, o aumento das habilidades de aconselhamento, como a empatia e a compaixão, estão entre os benefícios mais citados.

Dr. Siegel (2009) enfatiza ainda a regulação corporal, a sintonia empática, emoções equilibradas e flexibilidade de resposta como resultados benéficos ao psicoterapeuta praticante de mindfulness.

Hözel, Lazar e colaboradores (2011) identificaram 6 mecanismos de ação da prática de mindfulness, todas com comprovações neurobiológicas:

1. Regulação da Atenção - estabilidade do estado de alerta, mesmo diante de circunstâncias não habituais;

2. Consciência corporal - percepção das sensações sutis, consciência das próprias emoções.

3. Regulação emocional - reatividade diminuída;

4. Reavaliação - Possibilidade de ver as dificuldades como significativas ou benéficas ao invés de avalia-las todas como negativas;

5. Exposição - dessensibilização global a tudo que estiver no campo de percepção; maior capacidade de enfrentamento;

6. Senso flexível do eu - desidentificação das emoções e maior capacidade de adaptação;


São diversos estudos que comprovam os benefícios da prática de mindfulness e tais benefícios podem ser vistos em vários sentidos dentro do contexto terapêutico.

Formação exclusiva para Psicólogos

Saiba Mais

Pelo menos de três formas distintas é possível que o psicólogo atue com mindfulness em setting terapêutico. Além disso, há inúmeros benefícios da prática de mindulness para o psicoterapeuta, tanto em sua vida pessoal, como não-terapeuta, como no exercício de sua profissão.

Em relação à terapia baseada em mindfulness, há uma gama de transtornos em que mindfulness já comprovou sua eficácia: transtornos relacionados ao estresse e à ansiedade, depressão (ajuda a evitar as recaídas nos casos crônicos), dor crônica e também auxilia o adicto a manter-se em sobriedade. É possível trabalhar com mindfulness com todas as pessoas, inclusive crianças.

Várias metanálises estabeleceram uma associação positiva entre a aliança terapêutica e o resultado da terapia com mindfulness, possivelmente pelo desenvolvimento de empatia e compaixão propiciado pela prática. Muito ainda pode ser dito sobre a relação entre mindfulness e psicoterapia, este foi apenas um artigo de introdução. Mais sobre isso, você poderá ver no curso de formação.

Para informações completas sobre o curso de formação, que neste segundo semestre de 2017 terá turmas em Curitiba e Bauru, envie um email para contato@mindfulnessparana.com.br

Sobre

Team 2

Sheila Drumond

Psicóloga

Psicóloga Clínica (08/18067), especialista na docência do ensino do Yoga, instrutora de yoga e meditação desde 2001, formada em Psicologia Positiva pela Asociación Chilena de Psicologa Positiva e pelo Instituto de Psicologia Positiva de Buenos Aires, Formação de Mindfulness para Terapeutas pelo Centro de Salud y Mindfulness de Buenos Aires, Diplomatura em Mindfulness pelo Catrec de Buenos Aires. Co-autora do livro "Atenção Plena para Crianças" e autora da ferramenta lúdica "Jogo de Investigação - Atenção Plena para Crianças" (publicado pela RIC jogos), ambos trabalhos apresentados no IV Meeting on Mindfulness.